OS VERDADEIROS FATOS

 

 

A dívida pelo não pagamento do Fundo Convencional, uma taxa administrativa da Assembleia de Deus baiana, pode ser considerado um problema menor para o pastor Israel Alves Ferreira. Ele é réu em três ações judiciais que tramitam no Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Em consulta processual, é possível verificar que o religioso responde por apropriação indébita previdenciária, em processo de autoria do Ministério Público Federal. Outras duas ações, impetradas pela Fazenda Nacional e pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), tratam da execução fiscal da dívida acumulada, que, segundo Arilson dos Santos, é de cerca de R$ 1,5 milhão. O dirigente da Ceadeb afirma que o pastor recolhia a previdência dos funcionários das igrejas, mas não repassava à Receita. Israel responde ainda a três processos na Justiça baiana. Dois deles resultados de inquéritos policiais, encaminhados a julgamento pelo Ministério Público (MP-BA). Não é possível obter, entretanto, a acusação do processo. Tanto Israel Ferreira quanto a Ceadeb foram procurados pela reportagem desde esta segunda-feira (26), mas não houve retorno às tentativas de contato.

Outro revés na relação entre os membros da atual diretoria da Ceadeb e da Adesal foi a realização das eleições para a entidade estadual, no final do ano passado. A candidatura de Israel Ferreira foi impugnada porque ele estaria inadimplente. O pleito homologou a única chapa em disputa, de continuidade da antiga gestão. De acordo com o diretor da Ceadeb, Arilson dos Santos, o clima de animosidade entre as instituições serviria, entretanto, apenas como pretexto para a Adesal pedir o desligamento da Ceadeb. Desta forma, se tornaria proprietária de todos os templos e da administração de toda a arrecadação da capital baiana, que é fonte de 80% da receita de todo o estado, de cerca de R$ 1 milhão. Arilson reitera que não há motivos para que o acordo não fosse respeitado, já que até a isenção da dívida foi proposta, na última negociação, desde que, a partir de então, o pagamento fosse retomado. Sem acordo, a Ceadeb ingressou na Justiça para que possa depor Israel Ferreira da Adesal. Os advogados defendem que o regimento da entidade seja respeitado. No conjunto de normas, cabe à Convenção Estadual a nomeação e remanejamento dos presidentes das associações municipais. Enquanto espera o julgamento do mérito, de acordo com Arilson dos Santos, o pastor Israel gere a Adesal de forma independente. “Ele já consagrou mais 413 pastores ligados a ele. Essa atribuição é exclusiva de Ceadeb”, salientou.

A disputa entre os pastores da igreja Assembleia de Deus pelo controle dos dividendos provenientes dos dízimos, na Bahia, foi parar na Justiça. No centro da querela, a arrecadação mensal de R$ 1.250.000,00 (hum milhao e duzentos e cinquenta mil), em media, oriundos dos 400 templos da instituição em Salvador. No enredo desta história, cheques sustados, acordos descumpridos e coações a mão armada. De acordo com Arilson Pereira dos Santos, diretor da Convenção Estadual das Assembleias de Deus na Bahia (Ceadeb), o embate começou devido à suspensão do pagamento do Fundo Convencional pela Igreja Assembleia de Deus em Salvador (Adesal), que administra os templos na capital baiana. O fundo é uma espécie de previdência dos pastores, que concede quatro salários mínimos para os aposentados, viúvas e afastados por motivo de saúde. Cada templo é obrigado a repassar 5% da arrecadação mensal para o fundo. A dívida acumulada de agosto de 2006 até então está em R$ 1,8 milhão, e segundo Arilson, ao menos cinco vezes foram firmados acordos para que fosse paga. Em todos os casos, o presidente da Adesal, o pastor Israel Alves Ferreira, descumpriu o acordado, e chegou a sustar cheques emitidos. “Acreditamos que quando um cheque é sustado, é porque foi roubado, ou porque o acordo está sendo descumprido”, afirmou. O BN tem cópias dos acordos, assinados por ambas as partes, bem como a cópia dos cheques.
 
   

O tal israel Alves ferreira entregou sua credencial de pastor, conforme documento anexo no site, e se autodenominou Pastor, uma convenção do CEARÁ emprestou o nome  para o dito cujo consagrar pastores, e assim poder completar uma cota  exigida pelo estado,  para criação de uma nova convenção, se criada será chamada CONFRAMADEB. Salientando que não foi cobrado nenhum requisito dos candidatos, a coisa é tão séria que tem homens respondendo na justiça por pedofilia, homossexualidade, e ate adultério.

 e fato que os templos estão nome da ADESAL

OBS: foram construidos pelos membros, isso é fato.

como também é fato que a ADESAL não é de ISRAEL.

maioria dos templos foram contruidos pelos membros ele mente dizendo que foi pela ADESAL.

ele demonstra em suas notas  ser o proprietário dos templos, no estatuto diz que quem nomeia presidente para  ADESAL é CEADEB, como é que esse homem fica no lugar que não é dele?, o infeliz diz em sua nota, que estão querendo tomar os MEMBROS E TEMPLOS da ADESAL. Teve a cara de pau em dizer que fez acordo com os pastores que quisessem ficar como pastor da CEADEB que poderiam, mas que entregasse a renda a ADESAL ,que hoje esta em seu poder, Diga-se de passagem indevidamente, pois já foi nomeado um novo pastor para ADESAL, indicado pela CEADEB, conforme estatuto da propria ADESAL .

o mentiroso diz que a CEADEB está consagrando e dando dinheiro, querendo inverter os fatos pois quem fez isso todos nos sabemos que foi ELE .

outra irregularidade é a seguinte a CEADEB não pode entrar em nenhum estado para consagrar quem quer que seja conforme estatuto da CGADB e esse homem ignora a lei, querendo inverter novamente os fatos, dizendo que os pastores loucos querendo tomar os seus templos para criação de nova igreja, quem está ficando maluco nessa historia é ele e seus aliados, doidos por cargos e dinheiro.

 

os malucos que acopanha ISRAEL ALVES FERREIRA, trabalham como verdadeiros bandidos, nesse mes de julho de 2010 eles descobriram que uma das filiais de paripe, havia comprado um terreno, pois o templo era alugado, o recurso foi juntado durante 11 anos pelos membros e congregados, bom um tal Josue que se diz pastor de paripe junto com um elemento chamado Jorge foram na casa do vendedor alengando ter perdido o documento de compras e vendas, queriam fazer outro, colocaram o casal de idosos no carro e foram autenticar o documento, em fim dizem agora serem donos do terreno, isso é que é certo? .

o que relato provo a quem quer que seja.  

 

© 2010 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode